EXCLUSIVO: Cientista hipersônico russo acusado de trair segredos para a China

  • Chefe da empresa acusado de passar segredos para a China, dizem fontes
  • Ele se declara inocente e diz que a informação está disponível online – Fontes
  • Prisão de três cientistas por sedição causa indignação na academia

LONDRES, 24 Mai (Reuters) – O diretor de um importante instituto científico russo foi preso por suspeita de traição, junto com dois técnicos de mísseis hipersônicos, acusados ​​de passar segredos para a China, disseram duas pessoas familiarizadas com o caso à Reuters.

Alexander Shipliuk, chefe do Instituto Kristianovich de Mecânica Teórica e Aplicada (ITAM) da Sibéria, é suspeito de entregar o material classificado em uma conferência científica de 2017 na China, disseram as fontes.

O homem de 56 anos mantém sua inocência e insiste que as informações em questão não são classificadas e estão disponíveis gratuitamente online, de acordo com as pessoas, que a Reuters optou por não identificar para proteger sua segurança.

“A informação não é confidencial e ele é inflexível sobre sua própria inocência”, disse um deles.

A natureza das acusações contra o diretor do ITAM, preso em agosto passado, não foi divulgada anteriormente. A conexão chinesa tornaria Shipliuk o último de uma linha de cientistas russos presos nos últimos anos por supostamente passar segredos para Pequim.

Questionado sobre as acusações que os especialistas do ITAM enfrentam e casos anteriores de traição ligados à China, o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, disse que os serviços de segurança foram cuidadosos com possíveis casos de “traição à pátria”.

“Esta é uma tarefa muito importante”, acrescentou. “Está em andamento e é impossível falar sobre qualquer tipo de tendência aqui.”

O serviço de segurança do FSB não respondeu imediatamente aos pedidos de comentários.

O Ministério das Relações Exteriores da China disse, quando questionado sobre as alegações de que Pequim tinha como alvo cientistas russos e obtido pesquisas sensíveis, as relações sino-russas eram “não alinhadas, não conflituosas e não visavam terceiros”.

READ  Uma multidão invadiu o local do Tbilisi Pride Fest, forçando o cancelamento do evento

“Isso é fundamentalmente diferente do que algumas alianças militares e de inteligência montaram com base em sua mentalidade de Guerra Fria”, acrescentou.

O presidente Vladimir Putin disse repetidamente que a Rússia é o líder mundial em mísseis avançados.

Os casos do ITAM e prisões anteriores por traição sugerem que Moscou tem medo de perder qualquer vantagem tecnológica, inclusive para a China, um aliado com o qual tem contado cada vez mais para obter apoio político e comercial desde o início da invasão da Ucrânia, 15 meses atrás.

No ano passado, o especialista em laser Dmitry Golkar foi preso sob a acusação de traição na Sibéria, mas morreu de câncer dois dias depois. Seu advogado, Alexander Fedulov, disse à Reuters na semana passada que Golkar foi acusado de passar segredos para a China, acusação que a família do cientista nega.

Alexander Lukhanin, um cientista da cidade siberiana de Tomsk, foi preso em 2020 por suspeita de repassar segredos técnicos a Pequim, informou a agência de notícias estatal russa TASS na época. No ano passado, ele foi condenado a sete anos e meio de prisão.

Valery Mitko, chefe da Academia de Ciências do Ártico em São Petersburgo, foi acusado em 2020 de passar segredos para a China, onde viajava regularmente para dar palestras, disse Doss na época. Ele morreu dois anos depois, aos 81 anos, enquanto estava em prisão domiciliar.

‘Acusações muito graves’

O parlamento da Rússia votou no mês passado para aumentar a sentença máxima por traição de 20 anos para prisão perpétua, em meio à guerra na Ucrânia. Na terça-feira, o chefe do comitê de segurança da câmara baixa do Parlamento da Rússia apoiou um projeto de lei sobre o acesso a segredos de Estado, dizendo que 48 russos foram condenados por traição entre 2017 e 2022.

READ  Como a SpaceX lança a missão Euclid para explorar o universo escuro

Os casos enfrentados por Shipliuk e seus dois colegas do ITAM – Anatoly Maslov e Valery Svegintsev – são ultrassecretos e serão investigados a portas fechadas. Maslov, o primeiro dos três presos em junho do ano passado, deveria ser julgado em São Petersburgo na quarta-feira.

Zvegintsev foi preso no mês passado. Os julgamentos de três cientistas ganharam as manchetes globais na semana passada, quando seus colegas do ITAM assinaram uma carta aberta em apoio aos cientistas, reclamando que seriam incapazes de fazer seu trabalho se fossem presos por escrever artigos ou fazer apresentações em conferências internacionais. .

A carta rejeitou a ideia de que o trio poderia ter traído segredos, dizendo que todo o material que eles publicaram ou forneceram foi rigorosamente examinado para garantir que não fosse classificado.

Questionado por repórteres sobre a carta aberta na semana passada, o porta-voz do Kremlin, Peskov, disse: “Realmente examinamos esse apelo, mas os serviços especiais russos estão trabalhando nisso. Eles estão fazendo seu trabalho. Essas são alegações muito sérias.”

Localizado no complexo científico Akademkorodok, perto da cidade de Novosibirsk, o ITAM afirma em seu site que está registrado como parte do complexo militar-industrial da Rússia. De acordo com um documento online de 2020, o instituto possui extensos vínculos internacionais, incluindo vínculos com instituições, universidades e centros de pesquisa em todo o mundo.

Entre as instituições listadas está o Centro de Pesquisa e Desenvolvimento Aerodinâmico da China (CARDC), cujo site tem vários posts celebrando desenvolvimentos experimentais relacionados a caças e mísseis hipersônicos.

O site do CARDC nomeia o diretor do centro como Wang Chunnian. De acordo com dois sites oficiais do governo local chinês, Wang é um general proeminente do Exército Popular de Libertação da China (PLA).

Uma revisão da Reuters de trabalhos acadêmicos chineses disponíveis ao público mostra que os pesquisadores do centro foram co-autores de dezenas de artigos nos últimos anos com colegas que trabalham em instituições administradas diretamente pelo PLA.

READ  'Furacão' terremoto atinge partes do sul da Califórnia - NBC Los Angeles

O CARDC não respondeu às perguntas enviadas por e-mail ao centro e a Wang, enquanto a Reuters não conseguiu entrar em contato diretamente com Wang.

‘Choque e Terror’

A Reuters entrevistou dois cientistas americanos, um dos quais conhecia Maslov e o outro Shipliuk. Eles disseram que os russos eram acadêmicos honestos, embora sua área de estudo fosse sensível por causa de suas aplicações militares.

Stuart Lawrence, professor de engenharia aeroespacial da Universidade de Maryland, que disse ter conhecido Shipliuk em duas ocasiões, apresentou um artigo com o cientista russo Maslow em uma conferência de 2012 em Tours, na França.

Lawrence, que trocou e-mails com Shipley pela última vez em janeiro de 2021, disse que ficou “chocada e horrorizada com a prisão dele”. “Ele era muito respeitado em seu campo.”

George Nagousi, engenheiro aeroespacial sênior da RAND Corp, disse que a China tem “puxado o atraso” com os Estados Unidos e a Rússia nos últimos anos em tecnologia hipersônica.

Ele insistiu que os três russos presos estavam envolvidos em apenas uma parte do trabalho necessário para desenvolver o míssil hipersônico.

“É um longo caminho. Fazer pesquisa básica não dá um míssil”, disse Nacouzi.

Reportagem adicional de Eduardo Baptista e Ryan Wu em Pequim; Escrito por Mark Trevelyan em Londres; Edição por Mike Collette-White e Pravin Char

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

Mark Trevelyan

Thomson Reuters

Escritor principal sobre a Rússia e a CEI. Ele trabalhou como correspondente de mais de 40 países em Londres, Wellington, Bruxelas, Varsóvia, Moscou e Berlim. A década de 1990 incluiu a dissolução da União Soviética. Correspondente de defesa de 2003 a 2008. Fala francês, russo e (enferrujado) alemão e polonês.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *