Suprema Corte se recusa a revisar disputa sobre mapa de votação no Alabama

A Suprema Corte recusou-se na manhã de terça-feira a redesenhar um mapa do Congresso desenhado por legisladores republicanos no Alabama.

A ordem veio em resposta ao pedido do Alabama para que os juízes bloqueiem uma decisão de um tribunal inferior que anulasse o mapa proposto. O painel de três juízes concluiu que o estado violou descaradamente a sua ordem de criar um segundo distrito de maioria negra ou algo “mais próximo dele”.

O pedido de alívio do Alabama é a segunda vez em menos de um ano que a Suprema Corte pede à Suprema Corte que defenda o papel limitado da raça no estabelecimento de distritos eleitorais para as eleições federais.

A ordem do tribunal não apresentou quaisquer motivos, o que acontece frequentemente quando os juízes decidem sobre pedidos de emergência. A decisão abre caminho para que um mestre especial e um cartógrafo nomeado pelo tribunal criem um novo mapa.

O resultado da disputa poderá, em última instância, fazer pender a balança na Câmara, onde os republicanos detêm uma pequena maioria. Os legisladores de Washington e de outros estados estão acompanhando de perto a trajetória do caso.

Numa decisão surpresa em Junho, o Supremo Tribunal concluiu que o Alabama tinha prejudicado os eleitores negros ao traçar o seu mapa eleitoral, reafirmando parte de uma importante lei de direitos civis.

Chefe de Justiça John G. há muito tempo é cético em relação à tomada de decisões com motivação racial. Opinião da maioria. Juiz Brett M. Kavanagh foi acompanhado nos tribunais por três juízes liberais – Ketanji Brown Jackson, Sonia Sotomayor e Elena Kagan.

Em questão estava o mapa do Congresso do Alabama. A sua legislatura controlada pelos republicanos dividiu o estado em sete distritos e continua a manter apenas um distrito de maioria negra, embora os negros constituam um quarto da população do estado.

READ  WeWork alerta para risco de falência após prejuízo líquido de US$ 700 milhões em 2023

Após a decisão da Suprema Corte, os legisladores estaduais lutaram para traçar um novo mapa. Apesar das objeções dos democratas, o Legislativo introduziu uma versão que redesenhou os limites distritais, mas não incluiu distritos adicionais de maioria negra. Por outro lado, um distrito aumentou a percentagem de eleitores negros de cerca de 30% para 40%.

Um painel federal de três juízes que supervisionou o caso concluiu que os legisladores podem ter violado novamente a Lei dos Direitos de Voto de 1965.

“A lei exige a criação de distritos adicionais que dêem aos negros do Alabama, como a todos os outros, uma oportunidade justa e equitativa de eleger os candidatos da sua escolha”, disse o comité. escreveu. Os juízes acrescentaram que a proposta do legislador “claramente não o faz”.

Ao pedir a intervenção da Suprema Corte, o procurador-geral do Alabama, Steve Marshall, reconheceu que o Legislativo não adicionou um segundo distrito de maioria negra ao seu mapa, conforme ordenado por um tribunal federal, mas disse que seu novo mapa ainda está em conformidade com a lei.

A menos que o tribunal aja, escreveu ele, “o estado não terá oportunidade significativa de recorrer antes que o plano de 2023 seja substituído por um mapa desenhado pelo tribunal que nenhum estado pode promulgar constitucionalmente”.

Na sua petição, os demandantes, incluindo eleitores negros e grupos de defesa, instaram os juízes a rejeitar o pedido de alívio do Alabama, dizendo que o estado tentou desafiar “descaradamente” os tribunais usando “argumentos reciclados”.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *