Petróleo, Gaza e Ucrânia, deputados sauditas reúnem-se em viagem de Putin ao Médio Oriente

  • Putin encontra MbS
  • Putin conheceu o xeque Mohammed bin Zayed Al Nahyan
  • Putin embarca em rara viagem ao Médio Oriente
  • Petróleo, OPEP+, Gaza, Ucrânia na agenda
  • Putin encontrou-se com o presidente iraniano Raisi em Moscou

MOSCOU (Reuters) – O presidente russo, Vladimir Putin, se reunirá com o príncipe herdeiro Mohammed bin Salman na Arábia Saudita nesta quarta-feira para discutir a produção de petróleo, a Opep+ e as guerras na Faixa de Gaza e na Ucrânia.

O encontro de Putin com o príncipe, conhecido como MbS, ocorreu depois de os preços do petróleo terem caído e a OPEP+, a Organização dos Países Exportadores de Petróleo e aliados liderados pela Rússia, terem prometido reduzir ainda mais a produção.

Putin chegou a Abu Dhabi para conversações com o presidente Sheikh Mohammed bin Zayed Al Nahyan, que chamou Putin de seu “querido amigo”. Ele deverá visitar a Arábia Saudita para seu primeiro encontro presencial com MbS desde outubro de 2019.

O Kremlin disse que discutiria a cooperação energética, inclusive como parte da OPEP+, que bombeia mais de 40% do petróleo mundial.

“As nossas relações, em grande parte devido à sua posição, atingiram um nível elevado sem precedentes”, disse Putin ao Xeque Mohammed, conhecido como MbZ, no palácio presidencial. “Os Emirados Árabes Unidos são o principal parceiro comercial da Rússia no mundo árabe.”

Putin disse que a Rússia e os Emirados Árabes Unidos cooperaram como parte da OPEP+ e disse que conversariam sobre o conflito Israel-Hamas e a situação na Ucrânia.

READ  Eleições locais de 2023: Trabalhistas dizem que Tory perderá rejeição clara de Rishi Sunak

A última visita do líder do Kremlin foi em julho de 2022, quando se encontrou com o líder supremo, aiatolá Ali Khamenei, no Irã.

Não ficou imediatamente claro o que Putin, que raramente deixou a Rússia desde o início da guerra na Ucrânia, quer fazer especificamente sobre os mercados de petróleo com o príncipe herdeiro da Arábia Saudita, o maior exportador mundial de petróleo, dias depois de desentendimentos atrasarem uma reunião importante da OPEP+. . Reunião.

Além do petróleo, o Kremlin disse que discutirão questões mais amplas, como a guerra entre Israel e o Hamas, a situação na Síria e no Iémen e a garantia da estabilidade no Golfo. A Ucrânia também será discutida, disse um assessor do Kremlin.

Putin receberá o presidente iraniano, Ibrahim Raisi, em Moscou na quinta-feira, disse o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov.

Fechar dados

Putin e MbS, que juntos controlam cerca de um quinto do petróleo bombeado todos os dias, há muito que desfrutam de uma relação estreita, embora por vezes rejeitada pelo Ocidente.

Na cimeira do G20 de 2018, dois meses depois do jornalista Jamal Khashoggi ter sido morto na embaixada saudita, Putin e MbS falaram em voz alta e apertaram as mãos com sorrisos.

MbS, de 38 anos, tem procurado restabelecer a Arábia Saudita como uma potência regional, com pouco respeito pelos Estados Unidos, que fornece a Riade a maior parte das suas armas e é o maior produtor mundial de petróleo.

Putin, que enviou tropas para a Ucrânia em Fevereiro de 2022, diz que a Rússia está numa guerra existencial com o Ocidente – e cortejou aliados em todo o Médio Oriente, África, América Latina e Ásia no meio dos esforços ocidentais para isolar Moscovo.

READ  Rússia ataca Odesa, Ucrânia, explosões relatadas em Sevastopol | Notícias da Guerra Rússia-Ucrânia

Tanto MbS como Putin, de 71 anos, querem – e precisam – de preços mais elevados para o petróleo, a força vital das suas economias. A questão para ambos é saber qual o encargo que cada um deverá assumir para aumentar os preços – e como controlar o encargo.

A OPEP+ atrasou no mês passado a sua reunião por vários dias devido a divergências sobre os níveis de produção entre alguns membros. O ministro da Energia da Arábia Saudita disse que a OPEP+ também quer mais compromissos de Moscovo e que cumprirá a sua promessa de cortar as exportações de combustíveis.

As relações entre a Arábia Saudita e a Rússia na OPEP+ têm sido por vezes difíceis, e o acordo de março de 2020 sobre os cortes quase ruiu, e os mercados já foram abalados pelo início da pandemia da COVID.

Mas os dois conseguiram reparar a sua relação em semanas e a OPEP+ concordou em registar cortes de quase 10% na procura global para apoiar os mercados petrolíferos.

Desde o início da guerra entre Israel e o Hamas, em 7 de Outubro, Putin classificou o conflito como um fracasso da política dos EUA no Médio Oriente e cultivou laços com os aliados árabes, o Irão e o grupo militante palestiniano.

Quando a Rússia interveio na guerra civil síria em 2015, ajudou a equilibrar o apoio a Bashar al-Assad, garantindo a sobrevivência do presidente sírio, apesar dos apelos ocidentais à sua destituição.

Edição de Guy Falconbridge, Andrew Osborne, Bernadette Baum e Alexander Smith

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

Obtenha direitos de licenciamentoAbre uma nova aba

Como chefe do escritório de Moscou, Guy dirige a cobertura da Rússia e da Comunidade de Estados Independentes. Antes de Moscou, Guy dirigiu a cobertura do Brexit como chefe do escritório de Londres (2012-2022). Na noite do Brexit, a sua equipa apresentou um dos sucessos históricos da Reuters: divulgar primeiro a notícia do Brexit ao mundo e aos mercados financeiros. Guy se formou na London School of Economics e começou sua carreira como estagiário na Bloomberg. Ele passou mais de 14 anos cobrindo a antiga União Soviética. Ele fala russo fluentemente. Contato: +447825218698

READ  Lakers-Warriors Game 5 atualizações ao vivo, escalações, relatório de lesões, como assistir, canal de TV

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *