Papa Francisco desembarcou na Mongólia, lar de um pequeno rebanho católico

ULAANBADAR, Mongólia (Reuters) – O Papa Francisco chegou à Mongólia nesta sexta-feira para cumprimentar seu pequeno grupo católico, tendo anteriormente enviado uma bênção de seu avião pedindo “unidade e paz” à China, com a qual o Vaticano tem relações tensas.

O pontífice de 86 anos, cuja saúde tem piorado nos últimos anos, chegou ao aeroporto de Ulaanbaatar num voo fretado da IDA Airways com a sua grande comitiva e jornalistas que o acompanhavam.

Depois de sair do avião, Francis, que estava em uma cadeira de rodas, foi empurrado por fileiras de guardas mongóis em uniformes azuis e vermelhos ornamentados e armados com rifles. Ele então entrou em um carro e trocou alguns apertos de mão antes de ser levado embora.

O seu primeiro evento na Mongólia, um país predominantemente budista com 1.450 católicos, foi no sábado, onde se dirigiu a líderes governamentais e ao corpo diplomático.

Visitar lugares onde os católicos são minoria faz parte da política de Francisco, embora ele não tenha visitado a maioria das capitais da Europa Ocidental.

Normalmente, Francisco envia saudações a cada país por onde passa a caminho da Mongólia, incluindo a China, com a qual o Vaticano tem relações tensas.

“Envio os meus melhores votos a Vossa Excelência e ao povo chinês”, disse o papa num telegrama ao presidente chinês, Xi Jinping.

“Asseguro-vos as minhas orações pelo bem-estar da nação e invoco sobre vós todas as bênçãos divinas da unidade e da paz”.

O Ministério das Relações Exteriores da China não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

READ  JPL vai despedir mais de 500 funcionários por falta de fundos -NBC Los Angeles

As relações entre a liderança oficialmente ateia do Partido Comunista da China e o Vaticano têm sido tensas há décadas.

A Santa Sé mantém relações diplomáticas plenas com Taiwan, enquanto os católicos da China estão há muito tempo divididos entre a igreja oficial apoiada pelo Estado e um rebanho clandestino leal ao papa.

A Mongólia fez parte da China até 1921 e tem laços políticos e económicos com Pequim.

Relatório de Philip Pullella; Por John Geddy; Edição de Christian Schmollinger, Robert Birzel

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

Obtenha direitos de licenciamentoAbre uma nova aba

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *