Painel de três juízes lança dúvidas sobre a tentativa de Mark Meadows de transferir as acusações de interferência eleitoral para o tribunal federal

Uma decisão do Tribunal de Apelações do 11º Circuito dos EUA para o autoproclamado herdeiro do Reino de Marrocos não é um bom presságio para a tentativa de Mark Meadows de mover acusações de interferência eleitoral contra ele na Geórgia. Do tribunal estadual ao tribunal federal.

Um caso de sucessão decidido em Outubro levantou a questão de saber se a lei se estenderia aos funcionários federais. Ex Autoridades Federais – No caso Meadows, ele ainda poderá invocar a Lei de Remoção de Oficiais Federais quando não for mais uma autoridade federal? A lei de 234 anos permite que funcionários federais acusados ​​de crimes estaduais sejam transferidos para a Justiça Federal quando estiverem relacionados com suas funções oficiais.

Um painel de três juízes de tribunais federais de apelação ouviu argumentos orais na sexta-feira sobre a jurisdição no caso Meadows. Meadows, que serviu como chefe de gabinete da Casa Branca no governo do ex-presidente Donald Trump, foi acusado no condado de Fulton, Geórgia – junto com Trump e outros 17 – de uma conspiração para impedir a derrota de Trump nas eleições de 2020. Quatro dos acusados ​​já concordaram em cooperar, com dois advogados envolvidos no esforço. Sidney Powell E Kenneth Chesbroe o nome de uma fiança Scott Salão, que entrou em processos criminais. Trump, Meadows e outros negaram qualquer irregularidade.

Meadows argumenta que seu caso deveria ser transferido para um tribunal federal porque ele era um oficial federal na época do suposto crime e estava agindo no âmbito de suas funções como oficial federal na época.

O painel de três juízes, nomeado pelos presidentes George W. Bush, Barack Obama e Joe Biden, fez perguntas pontuais a ambos os lados durante argumentos de 40 minutos. Eles expressaram ceticismo sobre os argumentos apresentados pelo advogado de Meadows, que afirmou que as acusações contra Meadows poderiam ser rejeitadas sob as proteções federais de imunidade.

“etapa [Meadows], todos parecem ter cumprido suas funções oficiais. Isso não pode estar certo”, disse o juiz Robin Rosenbaum durante a audiência.

O juiz distrital dos EUA, Stephen C. O apelo de Meadows veio depois de Jones negou seu pedido A favor da transferência do caso para o tribunal federal, os promotores argumentaram que as evidências “estabelecem que as ações no centro das alegações do estado foram tomadas em nome da campanha de Trump com a intenção de influenciar os procedimentos e procedimentos eleitorais estaduais”.

Donald Wakeford, advogado do gabinete da promotora distrital do condado de Fulton, Fannie Willis, argumentou durante os recursos que Meadows não poderia levar seu caso ao tribunal federal porque não era um funcionário federal.

Juiz William H. Pryor disse: “O Congresso poderia presumir racionalmente que há uma causa superior para a remoção quando se trata de um titular, porque envolve funções existentes do governo federal.”

“Onde você tem um ex-oficial, essa preocupação maior não existe porque não envolve as funções atuais do governo”, disse ele.

Mas os juízes também expressaram preocupação com o potencial “efeito inibidor” de manter o caso no tribunal estadual.

“Isso não cria uma espécie de efeito assustador nas pessoas que estão pensando em concorrer a um cargo público e nas pessoas que estão no cargo, e elas podem pensar duas vezes sobre o que farão porque estão preocupadas em serem indiciadas mais tarde? … Você não pode ter um julgamento em um fórum federal”, disse o juiz Rosenbaum.

Todos os três juízes do painel estavam na decisão da maioria em Outubro, que anulou a condenação de Timothy Bade, um homem que se descreveu como herdeiro do reino marroquino. Pate entrou com um pedido de milhões de dólares em penhoras contra os bens de antigos e atuais funcionários do IRS que ele achava que o haviam prejudicado. Ele foi condenado por apresentar falsas alegações de retaliação contra funcionários federais, mas contestou a condenação argumentando que não cometeu um crime federal porque os dois funcionários do IRS não eram funcionários federais quando ele apresentou as ações. O 11º Circuito anula as condenações de Bate.

Três dias depois de emitir essa decisão, o tribunal ordenou que Meadows e o Gabinete do Procurador Distrital do Condado de Fulton apresentassem informações adicionais sobre se a análise do Tribunal de Batalha permite que um “ex-funcionário federal” remova um caso criminal de um tribunal estadual para um tribunal federal. Em essência, o precedente de Batt põe em questão uma das principais condições para a remoção, que é se Meadows ainda pode ser considerado um funcionário federal para efeitos do estatuto.

Wakeford afirmou que a Lei de Remoção pretendia preservar o poder federal, embora “em última análise, não seja, mais uma vez, nenhum poder federal para proteger”.

Não foi proferida sentença sobre o recurso. Os outros quatro réus no caso de fraude do condado de Fulton estão buscando a transferência de seus casos para tribunais federais, com recursos pendentes no 11º Circuito.

READ  O relatório JOLTS mostrou que as vagas de emprego caíram em fevereiro

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *