A União Europeia busca se distanciar da China e da Rússia e renovar os laços com a América Latina e o Caribe

BRUXELAS, 17 Jul (Reuters) – Mais de 50 líderes da União Europeia, América Latina e Caribe devem realizar sua primeira cúpula na segunda-feira, dando impulso a uma pressão da UE por novos aliados políticos e econômicos estimulada pela guerra na Ucrânia . As suspeitas da China.

Nos dois dias de cúpula da UE-CELAC (Comunidade dos Estados Latino-Americanos e Caribenhos) em Bruxelas, espera-se que ambos os lados estejam interessados ​​em construir parcerias econômicas, mas discussões delicadas sobre a invasão russa da Ucrânia e o papel da Europa no tráfico de escravos vão complicar assuntos. Discursos.

Independentemente do resultado, as autoridades disseram que a reunião marcou um passo em direção a laços mais fortes.

O subsecretário de assuntos latino-americanos e caribenhos da Argentina, Gustavo Martínez Bandiani, disse a um pequeno grupo de repórteres em Bruxelas que a reunião era o assunto mais importante: “Depois de oito anos, podemos nos reconectar”.

A UE disse que quer uma declaração conjunta condenando a Rússia, mas sabe que isso será difícil de conseguir. A maioria dos países da CELAC esteve em fevereiro na ONU. Apesar de apoiar a resolução, que pedia a retirada imediata das tropas russas, a Nicarágua votou contra e a Bolívia, Cuba e El Salvador se abstiveram.

O presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva declarou-se um mediador de paz neutro e potencial.

A UE se separou da Rússia, que era o maior fornecedor de gás do bloco até a eclosão da guerra na Ucrânia em fevereiro do ano passado.

Ela quer reduzir sua dependência da China, construir alianças com “parceiros confiáveis”, abrir mais mercados para o comércio, garantir minerais essenciais para veículos elétricos e uma transição mais ampla para uma economia de baixo carbono, uma cadeia de suprimentos dominada pela China.

READ  A condenação do ex-congressista Jeff Fortenberry foi rejeitada

A UE reconheceu que às vezes negligenciou seus parceiros latino-americanos à medida que o papel da China na região aumentou, mas as cúpulas UE-CELAC regulares podem fornecer um contrapeso para Pequim.

Todos os 60 líderes foram convidados para as negociações em Bruxelas, mas os presidentes de El Salvador, México, Peru e Venezuela estão entre os que não devem viajar.

Embora a UE esteja interessada em investimentos, os parceiros da CELAC geralmente preferem os benefícios econômicos do processamento e fabricação de baterias de lítio ou veículos elétricos, em vez dos pequenos retornos do transporte de minerais para serem processados ​​em outro lugar.

A União Européia está pressionando por um acordo comercial com o Chile, o maior produtor mundial de cobre e o segundo maior produtor de lítio, e as autoridades disseram que ele pode entrar em vigor no próximo ano.

Ela busca abrir acordos comerciais com o México em 2018 e com o bloco do Mercosul formado por Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai em 2019, embora as autoridades tenham minimizado as expectativas de qualquer progresso durante a cúpula.

A União Européia e a Argentina assinarão um memorando de entendimento sobre cooperação energética antes do início da cúpula.

Como parte de sua iniciativa Global Gateway, a UE pode oferecer planos para investir até 10 bilhões de euros (US$ 11,2 bilhões) em projetos de infraestrutura da CELAC (US$ 1 = 0,8907 euros).

Relatório de Philip Blenkinsop; Edição por Bárbara Lewis

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *