A Holanda e o Japão disseram que se juntariam aos Estados Unidos para bloquear o acesso da China à tecnologia de chips

WASHINGTON – Tanto a Holanda quanto o Japão, fabricantes dos equipamentos mais avançados do mundo para a fabricação de semicondutores, concordaram na sexta-feira em se juntar aos EUA. Exceto por algumas exportações de suas máquinas de alta tecnologia Para a China, disseram pessoas familiarizadas com o acordo.

O acordo segue reuniões de alto nível com autoridades de segurança nacional dos EUA em Washington para ajudar a expandir restrições mais amplas. Emitido unilateralmente pela administração Biden Tipos de tecnologia de semicondutores serão compartilhados com a China em outubro

Devido à sensibilidade do acordo, os países não o anunciaram publicamente e os detalhes não são claros. Mas o acordo provavelmente colocará as indústrias de tecnologia dos países em pé de igualdade, impedindo que empresas no Japão e na Holanda se apressem para reivindicar uma participação de mercado na China que foi abandonada por empresas americanas. As empresas americanas disseram que a perspectiva as colocará em desvantagem.

A Casa Branca e o governo holandês se recusaram a comentar. O governo japonês não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

Em outubro, os Estados Unidos impuseram restrições estritas às vendas para a China de semicondutores e máquinas usadas para fabricá-los, argumentando que Pequim poderia usar a tecnologia para fins militares, como quebrar códigos americanos ou guiar mísseis hipersônicos. Mas mesmo antes de essas restrições serem concedidas, os Estados Unidos vinham pressionando por mais restrições às exportações de tecnologia avançada da Holanda e do Japão para a China.

As regras de outubro restringiram certas exportações para a China de países fora dos Estados Unidos. Usando um novo regulamento chamado Regra do Produto Direto Estrangeiro, o governo Biden proibiu empresas que usam tecnologia, software ou insumos dos EUA de vender certos semicondutores avançados para a China. Mas essas medidas se aplicam apenas aos chips, não às máquinas usadas para produzi-los.

READ  Um tribunal dos EUA rejeitou o pedido da FTC para suspender o contrato da Microsoft com a Activision

Em vez disso, a Casa Branca continuou a pressionar aliados para aprovar restrições à venda de equipamentos de fabricação de semicondutores por empresas como a holandesa ASML ou a Tokyo Electron no Japão. A Casa Branca argumentou que vender esse maquinário avançado para a China permitiria que Pequim um dia desenvolvesse suas próprias versões de produtos avançados que os Estados Unidos não podem comprar.

As negociações em curso tiveram que superar preocupações comerciais e logísticas. Como os americanos, os holandeses e japoneses temiam que, se saíssem do mercado chinês, concorrentes estrangeiros ocupassem seu lugar, disse Emily Benson, membro sênior do Centro de Relações Estratégicas e Internacionais, um centro de estudos de Washington. Com o tempo, isso pode “afetar nossa capacidade de manter uma vantagem tecnológica sobre os concorrentes”, disse ele.

O governo holandês já proibiu a venda de suas máquinas semicondutoras de última geração, conhecidas como sistemas de litografia ultravioleta extrema, para a China. Mas os EUA encorajaram os holandeses a dominar um sistema um pouco menos avançado chamado litografia ultravioleta profunda. O acordo alcançado na sexta-feira inclui pelo menos algumas restrições a esses equipamentos, segundo uma pessoa familiarizada com seus termos.

Os governos enfrentam dúvidas sobre se têm autoridade legal para impor restrições como os Estados Unidos, bem como extensos debates técnicos sobre quais tecnologias regular. O Japão e a Holanda precisarão de algum tempo para fazer alterações em suas leis e regulamentos para implementar as novas restrições, acrescentou Benson, e pode levar meses ou anos para que os regulamentos dos três países se espelhem.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *