Volodymyr Zelenskyy está se preparando para substituir o principal general da Ucrânia

Mantenha-se informado com atualizações gratuitas

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskyy, prepara-se para substituir o seu principal general, no que poderá ser a maior mudança no comando militar da Ucrânia desde que a invasão em grande escala da Rússia começou, há dois anos.

Zelenskyy ofereceu na segunda-feira a Valeriy Zaluzhny, chefe das Forças Armadas, um novo papel como conselheiro de segurança, mas o general recusou, de acordo com quatro pessoas familiarizadas com as discussões.

Dois deles disseram que Zelensky deixou claro a Zalushny que, mesmo que aceitasse o cargo, seria afastado de seu cargo atual.

Embora a decisão de demitir Zalushny tenha sido tomada no gabinete de Zelensky, quatro pessoas disseram que ele poderá não ser demitido por algum tempo depois que os planos forem publicados na mídia ucraniana.

A atribuição de um novo papel ao presidente-geral segue-se a meses de especulação sobre o seu destino, alimentada por relatos de tensão entre as duas figuras.

A sua relação tensa veio à tona em Novembro, depois de a tão alardeada contra-ofensiva da Ucrânia não ter conseguido atingir os seus ambiciosos objectivos de recapturar o território perdido e cortar a ponte terrestre da Rússia para a Crimeia.

Na altura, Zaluzhny disse que a guerra tinha chegado a um “impasse”, o que levou o gabinete do presidente a repreendê-lo por usar o termo.

Na segunda-feira, o porta-voz de Zelenskyy, Serhiy Nykyforov, e o Ministério da Defesa negaram relatos da demissão de Zaluzhny.

“Caros jornalistas, respondemos a todos imediatamente: não, isso não é verdade”, escreveu o ministério em seu canal Telegram, sem fornecer mais contexto. O gabinete do presidente se recusou a comentar mais na terça-feira.

READ  Trump lançou a linha de tênis um dia depois que um juiz ordenou que ele pagasse quase US$ 355 milhões

A destituição de Zaluzhny causaria alvoroço na sociedade civil e militar da Ucrânia, entre as quais ele goza de enorme apoio.

Numa sondagem ucraniana publicada em Dezembro, 88 por cento dos ucranianos disseram confiar em Zalushny, em comparação com 62 por cento em Zelensky.

“Terá um impacto muito negativo [morale] do exército”, disse o historiador militar ucraniano Mykhailo Zhyrokhov à Rádio NV de Kiev, acrescentando que acredita que os rumores são “ficção”.

A substituição de Zaluzhny também poderá enervar os parceiros ocidentais da Ucrânia, uma vez que os oficiais militares que trabalharam em estreita colaboração com o general nos últimos dois anos têm vindo a conceber estratégias no campo de batalha.

A guerra encontra-se num momento crítico, enquanto Kiev espera receber ajuda militar e financeira crucial no valor de milhares de milhões de dólares dos Estados Unidos e da União Europeia.

Zaluzhny não comentou relatos de sua demissão. No entanto, na segunda-feira, ele postou uma selfie sem data no Facebook com seu chefe de gabinete, Serhiy Shaptala, na qual ambos usavam moletons militares ucranianos.

Relatos sobre o despejo iminente de Zaluzhny começaram a circular na noite de segunda-feira na mídia local e em canais locais anônimos do Telegram. Também apareceram nos comentários públicos de políticos estreitamente alinhados com o ex-presidente Petro Poroshenko, que Zelensky derrotou nas eleições de 2019.

Atualmente não está claro quem substituirá Zalushni como comandante-chefe, de acordo com quatro pessoas familiarizadas com o assunto.

Os possíveis candidatos são Oleksandr Chirsky, comandante das forças terrestres da Ucrânia, e Kyrillo Budanov, chefe da direcção de inteligência militar do país. Ambos estão perto de Zelensky.

READ  Justin Trudeau diz que 'alegações credíveis' estão ligadas ao assassinato do líder Sikh no Canadá

Agência de Notícias Ucraniana Espelho da semana O gabinete de Zelenskyy também relatou discussões sobre a possível demissão de Zaluzhny, citando fontes. Vários outros meios de comunicação citaram fontes que disseram que Zalushni já havia sido demitido ou seria libertado em breve.

Veterano militar de quatro estrelas conhecido como “General de Ferro” pelos admiradores, Zalushny, 50, foi nomeado por Zelensky para o cargo de comandante-chefe em julho de 2021. Ele supervisionou as operações militares da Ucrânia desde o seu início como Rússia. Uma invasão em grande escala em fevereiro de 2022.

Ele orquestrou muitas das vitórias militares da Ucrânia, incluindo a defesa de Kiev nos primeiros dias da invasão russa e contra-ataques bem-sucedidos na região oriental de Kharkiv e na capital regional do sul, Kherson, no outono de 2022.

Zelenskyy supostamente tentou manter Zaluzhny, a quem via como um rival em potencial, longe dos olhos do público, contornando-o em momentos-chave da guerra, transmitindo ordens aos subordinados do general.

Vídeo: A indústria tecnológica da Ucrânia entra em guerra | Filme FT

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *