Os EUA começaram a treinar tropas ucranianas em tanques Abrams

BASE AÉREA DE RAMSTEIN, Alemanha (AP) — Os Estados Unidos começarão a treinar as forças ucranianas sobre como usar e manter os tanques Abrams.O secretário de Defesa dos EUA, Lloyd Austin, disse na sexta-feira.

A decisão ocorre quando chefes de defesa da Europa e de todo o mundo se reúnem na base aérea de Ramstein em um esforço para coordenar a entrega de armas e outros equipamentos à Ucrânia.

Segundo as autoridades, 31 tanques chegarão à área de treinamento de Grafenwohr, na Alemanha, até o final de maio, e as tropas começarão o treinamento duas semanas depois. Autoridades disseram que o treinamento da tropa duraria cerca de 10 semanas. Não os tanques de treinamento dados à Ucrânia para usar na guerra contra a Rússia. Em vez disso, 31 tanques de batalha M1A1 estão sendo reformados nos EUA e estarão na linha de frente quando estiverem prontos.

Enquanto isso, a Alemanha assinou um memorando de entendimento com a Polônia e a Ucrânia para estabelecer um centro de manutenção para a frota de tanques Kievan Cheetah 2 na Polônia, perto da fronteira ucraniana. O ministro da Defesa alemão, Boris Pistorius, disse a repórteres que espera que o centro custe de 150 a 200 milhões de euros (US$ 165 a 220 milhões) por ano, acrescentando que “como tudo mais, vamos empatar”. Ele disse que espera que as obras comecem até o final do próximo mês

O anúncio foi feito quando ministros e representantes de cerca de 50 países se reuniram para uma reunião liderada pelos Estados Unidos conhecida como Grupo de Contato de Segurança da Ucrânia.

Falando a repórteres no final da reunião, Austin disse que a entrega de tanques de treinamento nas próximas semanas representa um “enorme progresso”. Ele acrescentou: “Estou confiante de que este equipamento – e o treinamento que o acompanha – permitirá que as forças da Ucrânia continuem a ter sucesso no campo de batalha”.

READ  Como o hipercarnívoro "dente-de-sabre marsupial" alcançou a visão predadora 3D

O objetivo dos EUA era treinar as tropas ucranianas quando os tanques Abrams atualizados estivessem prontos para que pudessem entrar em batalha imediatamente. Os tanques estão sendo adaptados para atender às necessidades da Ucrânia.

O general Mark Milley, chefe do Estado-Maior Conjunto dos EUA, disse acreditar que os tanques americanos seriam mais eficazes no campo de batalha. “Acho que o tanque M1 fará a diferença”, disse ele, alertando que “não há bala de prata na guerra”.

Segundo as autoridades, cerca de 250 soldados ucranianos serão treinados – alguns para operar os tanques, outros para repará-los e mantê-los. Após as 10 semanas iniciais, treinamento adicional sobre como lutar e manobrar tanques também pode ser fornecido.

Até agora, os Estados Unidos treinaram 8.800 soldados ucranianos que já voltaram ao campo de batalha e cerca de 2.500 estão agora em treinamento. Seu treinamento abrange tudo, desde instruções básicas sobre armas até como conduzir operações de combate e manter e consertar equipamentos.

Em outros comentários, Austin rejeitou as perguntas sobre a entrega de caças à Ucrânia, dizendo que os EUA estão fornecendo à Ucrânia capacidades de defesa aérea terrestre, das quais ele disse que precisa desesperadamente.

A administração do presidente Joe Biden anunciou em janeiro que enviaria tanques Abrams para a Ucrânia – depois de meses insistindo que eles são muito complexos e muito difíceis de manter e reparar. A decisão foi parte de uma manobra política mais ampla que abriu as portas para a Alemanha anunciar que enviaria seus tanques Panther 2 para a Ucrânia e permitiria que a Polônia e outros aliados fizessem o mesmo.

Sob intensa pressão da Ucrânia e de outros países para colocar os tanques na Ucrânia rapidamente, o governo Biden disse no mês passado que aceleraria a entrega dos tanques Abrams à Ucrânia. O objetivo é transportar 70 toneladas de potências de combate para a zona de combate até o outono.

READ  Preços ao consumidor subiram 3,5% em março

Na época, os EUA deixaram claro que começariam a treinar as forças ucranianas sobre como usar, manter e consertar os tanques, e que as instruções reformariam os tanques para que ambos estivessem prontos para o combate ao mesmo tempo. Ainda este ano.

Ao mesmo tempo, o Pentágono deve garantir que as forças ucranianas tenham uma cadeia de abastecimento adequada para todas as peças necessárias para manter os tanques operacionais.

As forças russas e ucranianas estão em um impasse, negociando pequenos pedaços de terra durante o inverno. Combates ferozes ocorreram na região leste de Donetsk, onde a Rússia está lutando para cercar a cidade de Baghmut. A defesa ucraniana foi fortemente confrontada. Mas ambos os lados devem lançar ataques mais sérios na primavera.

O Ministério da Defesa da Grã-Bretanha disse em sua avaliação diária da batalha na sexta-feira que as condições do solo macio e a lama em grande parte da Ucrânia retardariam as operações de ambos os lados.

Em outros desenvolvimentos, Mykola Oleschuk, comandante da Força Aérea da Ucrânia, disse na sexta-feira que visitou um sistema de mísseis Patriot fabricado nos Estados Unidos. Autoridades ucranianas disseram na quarta-feira que os patriotas chegaram.

Os militares da Ucrânia disseram na sexta-feira que a Rússia atacou a Ucrânia com drones Shahed auto-explosivos de fabricação iraniana. O serviço civil da Ucrânia disse que a Rússia lançou cerca de 10 drones contra alvos ucranianos, oito dos quais foram abatidos pelas forças de defesa aérea ucranianas.

Pelo menos seis civis foram mortos e outros seis ficaram feridos na Ucrânia nas últimas 24 horas, informou o Gabinete do Presidente da Ucrânia na manhã desta sexta-feira. De acordo com autoridades ucranianas, os bombardeios e ataques de mísseis russos visaram principalmente cidades e vilarejos nas regiões parcialmente ocupadas de Donetsk, Zaporizhia e Kherson. Fora dessas regiões, as forças russas também bombardearam a província de Chernihiv na quinta-feira. Durante a noite, a Rússia lançou drones para atacar Kiev e as regiões de Poltava e Vinnytsia.

READ  Vendedores de casas ganharam US$ 1,8 bilhão

___

A escritora da Associated Press, Hanna Arhirova, contribuiu de Kiev, Ucrânia; Keir Moulson contribuiu de Berlim e Yuras Karmananu contribuiu de Tallinn, Estônia.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *