O governo da França sobreviveu a um voto de desconfiança e as controversas reformas previdenciárias seguirão em frente

(CNN) Dois votos de desconfiança contra o governo do presidente francês Emmanuel Macron falharam no parlamento do país, abrindo caminho para ele. Extremamente impopular Pensão reformas Novos protestos devem ser ativados e incitados em Paris.

Na quinta-feira passada, o governo invocou poderes constitucionais especiais para aprovar uma lei controversa que aumentaria a idade de aposentadoria para a maioria dos trabalhadores de 62 para 64 anos. Os legisladores que criticaram a medida pediram um voto de desconfiança na segunda-feira.

A primeira moção foi apresentada pelo “LIOT”, um pequeno grupo parlamentar que representa vários partidos menores, e ambos foram vistos como potencialmente ameaçadores ao governo. Recebeu 278 votos – nove a menos da maioria de 287 necessária para passar.

Um segundo referendo – apresentado na semana passada pelo partido de extrema-direita Rally Nacional – recebeu menos apoio, com apenas 94 legisladores votando a favor.

O governo do presidente Macron enfrentou dois votos de desconfiança sobre as controversas reformas previdenciárias.

A curta sobrevivência do governo exacerbará a crise de legitimidade enfrentada pelo gabinete da primeira-ministra Elisabeth Bourne e pela presidência de Macron.

“O primeiro-ministro deve levar sua reforma com ele e renunciar”, disse a líder parlamentar do Partido Comunista, Mathilde Panot, após a votação.

A oposição agora deve apelar à Assembleia Constituinte da França, o mais alto órgão constitucional do país, para bloquear parte ou toda a legislação. O conselho tem até um mês para considerar qualquer objeção à lei.

Enquanto isso, a raiva do público contra as reformas não mostra sinais de diminuir, com manifestantes se reunindo no centro de Paris após a votação e entrando em confronto com a polícia.

A afiliada da CNN, BFMTV, mostrou imagens de pessoas indisciplinadas marchando e entoando slogans contra o governo, e imagens de lixo sendo incendiado.

“Nº 49.3”, diz uma placa segurada por um manifestante.

A forte presença policial foi implantada em toda a capital enquanto os manifestantes se moviam de um lugar para outro. Uma fonte policial disse à CNN que pelo menos 70 pessoas foram detidas na cidade durante a noite de segunda-feira, horário local.

READ  A França mobilizou 7.000 soldados e está em alerta máximo após esfaqueamentos em escolas e detenções com facas em mesquitas.

A França, que tem a menor idade de aposentadoria no mundo industrializado, gasta mais do que outros países com pensões, quase 14% da produção econômica, de acordo com a Organização para a Cooperação Econômica.

O governo argumenta que o sistema atual – que depende de trabalhadores para pagar por uma faixa etária crescente – não é mais adequado para o propósito.

No fim de semana, manifestantes se reuniram espontaneamente em várias cidades para denunciar a reforma e usar o Artigo 49.3 da Constituição para forçar o projeto de lei a ser aprovado na Assembleia Nacional sem votação – o que os críticos consideram antidemocrático.

Segundo o Ministério do Interior, 169 pessoas foram detidas nos protestos de sábado em toda a França.

Além disso, trabalhadores de vários setores estão engajados em protestos sindicais contra esse movimento.

As autoridades responsáveis ​​pela aviação civil pediram às companhias aéreas que cancelassem 20% dos voos na terça e quarta-feira, e a Air France alertou para cancelamentos de voos nos próximos dias.

Refinarias de petróleo e instalações de armazenamento também foram afetadas, com 39% dos trabalhadores da TotalEnergie em greve na segunda-feira, segundo um comunicado da empresa, já que mais de 10.000 toneladas de lixo encheram as ruas de Paris enquanto os coletores de lixo entraram em greve. semanas.

Os sindicatos convocaram greves e protestos em todo o país nesta quinta-feira.

Duas semanas atrás, protestos de rua atraíram 1,28 milhão de pessoas em todo o país, de acordo com o Ministério do Interior francês.

Pierre Bairin e Christian Edwards, da CNN, contribuíram para este relatório.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *