Número de mortos por fome no Quênia sobe para 201 | notícias do crime

Paul McKenzie, líder da Good News International Church, foi acusado de ordenar que seus seguidores deixassem passar fome seus filhos e a si mesmos.

O número de mortos no culto à fome aumentou para 201 depois que mais 22 corpos foram recuperados na floresta de Shakahola, no Quênia, disse um funcionário do governo regional.

“Nossa equipe forense conseguiu exumar 22 corpos hoje, mas não relatamos nenhuma recuperação”, disse a comissária regional Rhoda Onyanja a repórteres no sábado.

As autoridades estão cavando covas rasas espalhadas na floresta esta semana em busca de restos mortais e vasculhando a área em busca de sobreviventes, já que centenas de pessoas ainda estão desaparecidas.

Paul McKenzie, chefe da Good News International Church, foi acusado de ordenar a seus seguidores que passassem fome a si mesmos e a seus filhos para chegar ao céu antes do fim do mundo, que ele previu que aconteceria em 15 de abril.

Um tribunal queniano negou fiança na quarta-feira ao motorista de táxi que se tornou pregador.

Onyanja disse que mais um suspeito também foi preso, elevando o número total de pessoas detidas em conexão com as mortes para 26.

Na sexta-feira, 29 corpos foram recuperados, incluindo os de 12 crianças encontradas em um túmulo.

O presidente do Quênia, William Ruto, nomeou uma comissão de inquérito sobre as mortes de mais de 100 pessoas, enquanto um tribunal ordenou que o líder do culto permanecesse na prisão.

Uma comissão de inquérito vai apurar se lapsos administrativos ou de inteligência foram os responsáveis ​​pela morte.

O porta-voz presidencial Hussain Mohamad disse que Ruto também nomeou uma força-tarefa para revisar os regulamentos que regem as organizações religiosas.

READ  Jimmy Butler, o Heat surpreendeu o Celtics para assumir uma vantagem de 2-0 na série novamente

McKenzie não comentou publicamente sobre as acusações contra ele, nem foi obrigado a entrar com uma confissão de quaisquer acusações criminais. Seu advogado, George Kariuki, disse a repórteres na terça-feira que seu cliente pode enfrentar “possíveis acusações de terrorismo”.

Mackenzie compareceu ao tribunal na cidade portuária de Mombasa na sexta-feira, onde os promotores pediram a um juiz que o mantivesse em prisão preventiva por mais 90 dias enquanto o julgamento continuava.

O juiz disse que julgaria o pedido da promotoria na quarta-feira e ordenou que Mackenzie permanecesse sob custódia até então.

Mackenzie, que usava uma jaqueta preta e rosa e segurava sua filha de dois anos durante a audiência, disse a repórteres no tribunal que ela e alguns de seus apoiadores estavam sendo impedidos de comer na prisão.

Os promotores negaram isso e seu advogado disse a repórteres na terça-feira que seu cliente estava comendo.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *