Eleitores venezuelanos rejeitam jurisdição da CIJ sobre disputa com a Guiana

CARACAS/GEORGETOWN (Reuters) – Eleitores na Venezuela rejeitaram em votação a jurisdição da Corte Internacional de Justiça (CIJ) sobre a disputa territorial do país com a Guiana, apoiando a criação de um novo Estado na região rica em petróleo de Essequibo. no domingo. .

O tribunal proibiu esta semana a Venezuela de tomar qualquer medida, o que é objecto de um processo activo perante o TIJ, mas o governo do presidente Nicolás Maduro prosseguiu com um referendo “consultivo” de cinco perguntas.

Todas as questões foram aprovadas com mais de 95% de aprovação, segundo o presidente da Comissão Eleitoral, Elvis Amoroso, que disse que pelo menos 10,5 milhões de votos foram expressos como ‘sim’, mas não confirmou o número de eleitores.

Alguns analistas políticos e de segurança consideraram a votação um sinal da força de Maduro e um teste de apoio ao seu governo antes das eleições presidenciais planeadas para 2024.

O tribunal havia dito em abril que um veredicto final sobre o assunto levaria vários anos. A Venezuela disse que os dois países devem resolver a questão.

Maduro comemorou a “vitória total” da votação na noite de domingo.

“O povo venezuelano falou alto e claro”, disse ele à multidão entusiasmada.

O complexo cobre uma área de 160.000 km quadrados (61.776 sq mi), que é em sua maioria densamente arborizada. A Venezuela reafirmou a sua reivindicação ao território nos últimos anos, após descobertas de petróleo e gás offshore.

“O objectivo do governo (de Maduro) é enviar uma mensagem de força à Guiana”, disse Ricardo Sucre, professor de política na Universidade Central da Venezuela, acrescentando que Maduro também está a ponderar potenciais desenvolvimentos de petróleo e gás.

Há também uma questão de fronteira marítima entre os dois países.

READ  EUA, Israel e Hamas chegam a acordo provisório para acabar com o conflito e libertar dezenas de reféns - WaPo

Não houve nenhuma campanha organizada contra o referendo e os analistas esperam que os eleitores que se opuseram a ele fiquem em casa.

A Venezuela tem mais de 20 milhões de eleitores elegíveis.

Testemunhas da Reuters visitaram centros de votação em todo o país – muitos esperando na fila ou muitos nem sequer o fizeram.

Em Maracaibo, no estado de Julia, rico em petróleo, a participação eleitoral foi baixa, disseram funcionários eleitorais à Reuters.

“Devemos votar pela defesa de nossa nação, porque Esequibo nos pertence e não podemos deixá-lo para os gringos (americanos)”, disse a aposentada Carmen Pereira, de 80 anos, em um centro de votação em Caracas.

As autoridades prolongaram a votação por duas horas.

“O governo está realizando o referendo por razões internas”, disse Benigno Alarcón, diretor do Centro de Estudos Políticos da Universidade Católica Andrés Bello, em Caracas. A sua máquina eleitoral deve ser testada.

“Se a oposição se unir e o povo venezuelano estiver disposto a participar (nas eleições de 2024), Maduro irá embora”, disse o analista de segurança Rocio San Miguel. “Ele está permitindo que uma situação de conflito” atrase as eleições.

A votação de domingo causou tensão na Guiana, com o governo a exortar os cidadãos a manterem a calma.

O presidente da Guiana, Irfan Ali, participou num comício patriótico no domingo, agitando a bandeira ao lado de centenas de apoiantes. Ele disse que a decisão da CIJ de sexta-feira proíbe a Venezuela de “anexar ou invadir o território da Guiana”.

READ  Steve Scalise desistiu da corrida pelos oradores enquanto o Partido Republicano da Câmara enfrenta uma crise de liderança

Alguns em Georgetown ofereceram alívio após a decisão do TIJ.

“Sinto que o tribunal tomou a decisão certa… Posso respirar um pouco mais fácil agora”, disse o vendedor de vegetais Kim Rampersad, 41 anos.

O Brasil disse na quarta-feira que intensificou “medidas defensivas” ao longo de sua fronteira norte em meio a uma disputa territorial.

Reportagem de Daisy Buitrago, Vivian Sequeira e Mayela Armas em Caracas; Mariela Nava em Maracaibo; Mircely Guanipa em Maracay; Alecrim Tbisae em Valência; e Kiana Wilburk em Georgetown; Por Julia Sims Cope; Edição de Diane Croft e Stephen Coates

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

Obtenha direitos de licençaAbre uma nova aba

DC reporta sobre petróleo e energia e notícias gerais de Caracas, capital da Venezuela. Ele está interessado em reportar sobre política e meio ambiente. Daisy trabalha para a Reuters em Caracas desde 2001, onde começou a escrever sobre protestos violentos contra o governo, a morte do ex-presidente venezuelano Hugo Chávez e os problemas na petrolífera estatal PDVSA, entre outros temas. Ela adora animais como cães e gatos! Contato:+584241334490

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *