Cientistas descobrem ‘mundo perdido’ em rocha australiana de bilhões de anos | Notícias de Ciência e Tecnologia

Descoberta de organismos microscópicos pode ser ‘restos antigos’ da linhagem humana, sugere estudo

Cientistas descobriram um “mundo perdido” de espécies antigas em rochas de bilhões de anos do norte da Austrália, que, segundo eles, podem mudar a compreensão do mundo sobre os primeiros ancestrais dos humanos.

Os microrganismos chamados protosterol biota fazem parte de uma família de organismos chamados eucariotos e viveram nas águas da Terra há cerca de 1,6 bilhão de anos, relatam os pesquisadores.

Os eucariotos têm uma estrutura celular complexa que inclui mitocôndrias, a “casa de força” da célula, e um núcleo, seu “centro de controle e informação”.

Formas modernas de eucariotos incluem organismos unicelulares, como fungos, plantas, animais e amebas.

Os seres humanos e todos os outros eucariotos podem traçar sua linhagem ancestral até o último ancestral comum eucariótico (LECA) que viveu 1,2 bilhão de anos atrás.

As novas descobertas “parecem ser os remanescentes mais antigos de nossos próprios ancestrais – eles viveram antes do LECA”, disse Benjamin Nettersheim, que concluiu seu doutorado na Australian National University (ANU).

“Essas espécies antigas eram abundantes em ecossistemas marinhos em todo o mundo e podem ter moldado os ecossistemas durante grande parte da história da Terra”.

A descoberta da biota do protosterol é resultado de 10 anos de trabalho de pesquisadores da ANU, publicado na revista Nature na quinta-feira.

Jochen Brocks, da ANU, descobriu com Nettersheim que a biota de protosterol é mais complexa e presumivelmente maior do que as bactérias, embora não se saiba como elas se parecem.

“Os primeiros predadores da Terra caçavam e devoravam bactérias”, disse o professor em um comunicado.

READ  Foguete da SpaceX atinge recorde de 17ª missão

Para o estudo, pesquisadores da Austrália, França, Alemanha e Estados Unidos analisaram moléculas lipídicas fósseis encontradas em rochas que se formaram no fundo do oceano perto do que hoje é a ponta norte da Austrália.

O norte da Austrália é conhecido por ter algumas das rochas sedimentares mais bem preservadas da Idade Média da Terra (meados do período proterozóico), incluindo algumas das mais antigas rochas biomarcadoras da Terra.

“Os fósseis moleculares presos nesses sedimentos antigos permitem uma visão única sobre o início da vida e a ecologia”, disse Nettersheim.

Os pesquisadores descobriram que as moléculas tinham uma estrutura química primitiva, indicando a existência de organismos complexos iniciais que evoluíram e foram extintos antes do LECA.

“Sem essas moléculas, não saberíamos que a biota de protosterol existia. Os primeiros oceanos muitas vezes pareciam ser um mundo bacteriano, mas nossa nova descoberta mostra que esse não é o caso”, disse Nettersheim.

Brocks disse que a espécie provavelmente floresceu de cerca de 1,6 bilhão de anos atrás até cerca de 800 milhões de anos atrás.

O fim deste período na linha do tempo evolutiva da Terra é chamado de metamorfose Donniana, quando organismos avançados como fungos e algas começaram a florescer. Mas não se sabe exatamente quando a Biota Protosterol foi extinta.

“A transição Donniana é uma das mudanças ambientais mais profundas da história do nosso planeta”, disse Brocks.

“Assim como os dinossauros tiveram que morrer para que nossos ancestrais mamíferos se tornassem grandes e abundantes, a biota de protoesteróis teve que desaparecer um bilhão de anos atrás para dar lugar aos eucariotos modernos”.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *