China diz que respeita a soberania dos ex-estados soviéticos após a revolta da UE

  • Embaixador da China em Paris causa alvoroço na UE
  • Comentários focados na Ucrânia, a antiga União Soviética
  • Pequim diz que está expressando opiniões pessoais
  • UE saúda ‘esclarecimento’

LUXEMBURGO, 24 Abr (Reuters) – A China respeita o status de Estados soberanos dos ex-membros da União Soviética, disse seu Ministério das Relações Exteriores nesta segunda-feira, provocando alvoroço entre as capitais europeias.

Vários ministros das Relações Exteriores da União Européia consideraram inaceitáveis ​​os comentários do embaixador Lu Shaye – nos quais ele questionou a soberania da Ucrânia e de outros ex-estados soviéticos – e pediram a Pequim que esclarecesse sua posição.

Questionado se os comentários de Lu representavam a posição oficial da China, o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Mao Ning, disse que Pequim respeitava o status de estados soberanos dos ex-membros soviéticos após o colapso da União Soviética.

Mao disse em uma coletiva de imprensa regular que suas opiniões sobre a soberania representam a posição oficial do governo da China.

A embaixada chinesa em Paris emitiu um comunicado na segunda-feira dizendo que os comentários de Lu sobre a Ucrânia “não eram uma declaração política, mas uma expressão de suas opiniões pessoais”.

Ambas as declarações pareciam ser uma tentativa de aliviar as tensões com a União Europeia após o revés, enquanto Washington citou uma aproximação crescente entre Pequim e Moscou.

“Pequim se distanciou dos comentários inaceitáveis ​​de seu embaixador”, disse Joseph Borrell em entrevista coletiva, chamando-a de “boas notícias”.

O Ministério das Relações Exteriores da França disse que “leva em consideração” os “esclarecimentos” de Pequim, acrescentando que o chefe de gabinete do ministro se reuniu com Lew na segunda-feira e disse a ele que seus comentários eram inaceitáveis ​​e “consistentes com a posição oficial de seu país”.

READ  As ações da Toyota sobem após anunciar planos para baterias de última geração EVs

Lu ganhou a reputação de um dos diplomatas do “guerreiro lobo” da China, conhecido por seu estilo agressivo e abrasivo.

Questionado sobre sua posição sobre se a Crimeia faz ou não parte da Ucrânia, Lew disse em uma entrevista transmitida na televisão francesa na sexta-feira que foi historicamente parte da Rússia e dada à Ucrânia pelo ex-líder soviético Nikita Khrushchev.

“Esses países da ex-União Soviética não têm status real no direito internacional porque não há acordo internacional para implementar seu status de soberania”, acrescentou Lu.

O ministro das Relações Exteriores da República Tcheca, Jan Lipavsky, fala durante uma coletiva de imprensa em 21 de abril de 2023 em Riga, Letônia. REUTERS/Ints Kalnins

‘Totalmente inaceitável’

As declarações do Ministério das Relações Exteriores da China e da embaixada em Paris na segunda-feira vieram após críticas de toda a UE.

Falando antes de uma reunião de ministros das Relações Exteriores da UE em Luxemburgo, o ministro das Relações Exteriores tcheco, Jan Lipavsky, disse que os comentários de Lu eram “absolutamente inaceitáveis”.

“Espero que os chefes do embaixador resolvam essas coisas”, disse ele a repórteres.

Um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Alemanha disse estar “muito surpreso” com os comentários de Lu, especialmente porque as declarações não são consistentes com a posição chinesa como a conhecemos até agora.

O ministro das Relações Exteriores da Lituânia, Gabrielius Landsbergis, disse que os três países bálticos convidariam os representantes chineses a pedir oficialmente uma explicação.

Ele disse que Pequim estava “enviando a mesma mensagem” que Moscou ao questionar a soberania dos ex-estados soviéticos, que ele descreveu como “perigosos”.

A Lituânia e seus vizinhos bálticos, Letônia e Estônia, foram anexados pela União Soviética em 1940, mas recuperaram a independência após a secessão em 1991.

Durante a próxima cúpula em junho, os líderes da UE discutirão a posição do bloco em relação à China e seu futuro relacionamento com Pequim, disse o presidente do Conselho da UE, Charles Michel.

READ  WeWork alerta para risco de falência após prejuízo líquido de US$ 700 milhões em 2023

Lu foi convocado ao Ministério das Relações Exteriores da França várias vezes no passado por sugerir que a França abandonasse idosos em asilos durante a pandemia do COVID-19 e por chamar um respeitado estudioso chinês de “hiena louca” em um think tank francês.

Questionado sobre os comentários das autoridades chinesas, o porta-voz da Casa Branca, John Kirby, disse à emissora MSNBC que a China e a Rússia estão claramente alinhadas: “Esses dois países querem desafiar diretamente a ordem internacional baseada em regras… e respeitar a soberania em todo o mundo”.

“Eles querem minar isso. Eles querem reduzir e reduzir não apenas nossa influência nos Estados Unidos e ao redor do mundo, mas também nossos aliados e parceiros.”

Relatório de Bart Meijer

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *