Joe Biden: Uma granada política disfarçada de declaração

  • Por Anthony Pesquisador
  • Correspondente Norte-Americano

É uma granada política disfarçada de relatório de 345 páginas.

A pirotecnia foi apresentada na tarde de quinta-feira nas conclusões da investigação do procurador especial Robert Hurn sobre o tratamento de documentos confidenciais por Joe Biden depois que ele deixou o cargo de vice-presidente em 2017.

A decisão de grande repercussão foi que o presidente não enfrentaria acusações criminais pelas suas ações, apesar das evidências de que ele “reteve e divulgou intencionalmente material confidencial enquanto era cidadão comum”.

O resultado final foi o mais afetado. Entre as razões listadas por Harr estava a razão pela qual decidiu não processar o presidente de 81 anos porque seria solidário com um júri, que o consideraria um “homem idoso e bem-intencionado”.

As questões sobre a idade de Joe Biden e a elegibilidade para servir mais quatro anos no cargo têm sido latentes praticamente desde que Biden esteve na Casa Branca, pelo que esta última revelação alimentará os ataques republicanos e despertará preocupação entre alguns democratas. Não está à altura da tarefa.

É uma narrativa que a campanha de Biden está tentando desesperadamente contrariar, disse Chris Borick, diretor do Instituto de Opinião Pública do Muhlenberg College.

“Nas pesquisas, vemos repetidamente dados que os eleitores consideram ser o seu maior problema nestas eleições”, diz ele.

Se assim for, o relatório Hur levou a Casa Branca a lançar um contra-ataque furioso, no qual o presidente realizou uma conferência de imprensa improvisada onde insistiu que a sua memória era “boa”.

“Eu sei o que estou fazendo”, disse ele.

Título do vídeo,

ASSISTA: Biden responde a conselhos de especialistas – ‘Estou velho, sei o que estou fazendo’

Além disso, o Conselho Especial apresentou provas específicas para apoiar esta afirmação. Durante dois dias de entrevistas, escreveu ele, Biden muitas vezes não conseguia se lembrar de detalhes relacionados à investigação. Mais do que isso, contou Harr, ele teve dificuldade para se lembrar dos anos em que foi vice-presidente e de quando seu filho mais velho, Beau Biden, morreu de câncer.

Foi esta última afirmação que provocou uma resposta irada do presidente durante uma conferência de imprensa na Casa Branca na noite de quinta-feira.

“Como diabos ele se atreveu a trazer isso à tona?” O presidente disse.

No entanto, a conferência de imprensa poderia dar mais combustível aos ataques a Biden, já que o presidente respondeu a uma pergunta sobre a guerra de Gaza referindo-se ao presidente egípcio, Mohamed al-Sisi, como presidente do México.

Esse erro, ao contrário de outras gafes verbais de Biden nos últimos dias, expõe o alcance do desafio à sua candidatura à reeleição. A melhor maneira de o presidente abordar as preocupações sobre a sua idade é fazer uma campanha agressiva e aumentar a sua exposição pública. Mas cada tentativa traz provas de que as ações são perigosas ou alimentam preocupações existentes.

A Casa Branca fez outros esforços para moderar o impacto do relatório Hur. O advogado pessoal de Biden, Richard Saber, tentou convencer o advogado especial a abandonar as referências à acuidade mental e às deficiências mentais de Biden, escrevendo numa carta que tal linguagem não era “precisa nem apropriada”.

Biden também observou que prestou depoimento de dois dias ao conselheiro especial após o ataque do Hamas a Israel em 7 de outubro – quando estava “no meio de uma crise internacional”, disse ele.

Outros aliados de Biden rejeitaram a imparcialidade de Harr, apontando que ele foi nomeado para o gabinete do procurador dos EUA por Donald Trump em 2017. No entanto, foi o procurador-geral de Biden, Merrick Garland, quem escolheu o Sr. Har como conselheiro especial.

A equipe de Biden também foi rápida em atacar os erros verbais de seu oponente de novembro, Donald Trump, de 77 anos. O antigo presidente confundiu recentemente o seu principal adversário, Nikki Haley, com a antiga presidente democrata da Câmara, Nancy Pelosi, e referiu-se ao primeiro-ministro húngaro, Viktor Orbán, como o líder da Turquia.

O melhor caso da Casa Branca é que esta granada em particular explodiu em Fevereiro, nove meses antes do dia das eleições.

Larry Sabato, diretor do Centro de Política da Universidade da Virgínia, disse que as preocupações com a idade de Biden já estavam em jogo, tornando o relatório prejudicial, mas não fatal.

O público “olhará para isso e levantará uma sobrancelha, não ambos”, diz ele. “Porque, de certa forma, as pessoas já sabiam disso. Mesmo que você assistisse apenas cinco minutos do discurso dele, você já sabia”, diz ele.

Quando os eleitores americanos finalmente forem às urnas, as alegações contidas no relatório de um advogado especial que se recusou a considerar Biden como suspeito de crime serão menos preocupantes do que questões como a economia e o aborto.

Por outro lado, o pior cenário é que este seja o início de uma cavalgada que mina um dos atributos mais fracos do presidente. A seta do tempo aponta apenas para um lado.

O presidente não é jovem.

READ  A Turquia votará em eleições importantes enquanto o regime de Erdogan está em jogo

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *