Ex-primeiro-ministro do Paquistão, Imran Khan, foi preso

  • Khan, 70, ainda muito popular em todo o país de 230 milhões de pessoas, foi deposto em abril de 2022 após um voto de desconfiança de legisladores da oposição, acusando-o de corrupção e ações inconstitucionais.
  • Em outubro, a Comissão Eleitoral do Paquistão aprovou uma decisão proibindo Khan de concorrer à reeleição, provocando indignação entre muitos de seus apoiadores que alegam crime.

FOTO DO ARQUIVO: O primeiro-ministro do Paquistão, Imran Khan, fala durante entrevista à Reuters em Islamabad, Paquistão, 4 de junho de 2021.

China Basheer | Reuters

O ex-primeiro-ministro paquistanês Imran Khan foi preso por oficiais paramilitares em um tribunal na capital Islamabad na terça-feira, disse seu partido.

Khan, que dirige o Tehreek-e-Insaf (PTI) do Paquistão, um dos maiores partidos políticos do país, esteve no Supremo Tribunal de Islamabad para participar de uma audiência sobre pedidos de fiança em casos de corrupção contra ele, que ele diz terem motivação política.

A prisão ocorre após trocas tensas recentes entre Khan, o ex-capitão nacional de críquete que se tornou primeiro-ministro do Paquistão em 2018, e os poderosos militares do país.

Depois de sobreviver a uma tentativa de assassinato em novembro passado, Khan acusou Shebaz Sharif, um oficial militar sênior e atual primeiro-ministro do Paquistão, de estar por trás da tentativa.

Um porta-voz militar censurou Khan esta semana por fazer “alegações muito imprudentes e infundadas sem qualquer evidência contra um oficial sênior do exército”, ao que Khan respondeu em uma declaração em vídeo na terça-feira: “Este é meu exército e meu Paquistão. preciso mentir.”

Um porta-voz do exército alertou que uma ação legal seria tomada se Khan continuasse com suas alegações. Sobre a possibilidade de prisão, Khan disse: “Se alguém tiver um mandado, deve trazê-lo diretamente para mim. Traga o mandado, meu advogado estará lá. Estou pronto para ir para a prisão sozinho.”

READ  Malawi: Ciclone Freddie mata pelo menos 99 no Malawi

Khan, de 70 anos, extremamente popular entre 230 milhões de pessoas em todo o país, foi deposto em abril de 2022 após um voto de desconfiança de legisladores da oposição, acusando-o de corrupção e ações inconstitucionais. As acusações foram confirmadas pela Suprema Corte do país.

O primeiro-ministro deposto do Paquistão, Imran Khan (C), acena para os apoiadores de seu partido durante uma manifestação em Islamabad em 26 de maio de 2022.

Aamir Qureshi | Afp | Boas fotos

Em outubro, a Comissão Eleitoral do Paquistão aprovou uma decisão proibindo Khan de concorrer à reeleição, provocando indignação entre muitos de seus apoiadores que alegam crime.

Khan e seus partidários dizem que sua expulsão no ano passado foi uma conspiração orquestrada pelo atual primeiro-ministro Shehbaz Sharif e pelos EUA, que têm um relacionamento longo e complicado com o governo paquistanês. Sharif e Washington negaram as acusações.

Os problemas legais de Khan o tornaram muito popular entre sua base. Alguns analistas políticos também o veem como favorito, e muitos esperam que as acusações contra ele sejam retiradas.

Khan é uma das figuras mais populares no Paquistão e em toda a região do sul da Ásia, conhecido por deixar a equipe nacional de críquete do Paquistão orgulhosa nas décadas de 1980 e 1990. Mais tarde, voltou-se para a política e fundou o PTI em 1996.

A carreira política de Khan foi marcada por derrotas até que seu partido conquistou mais assentos na Assembleia Nacional do Paquistão em 2018, concorrendo com uma plataforma populista e liderando a coalizão governista como primeiro-ministro.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *